Quinta-feira, 6 de Março de 2008

Letra C-E

C

Cabanal – telheiro, choupana;

Caçamulo – maçaroca mole de milho;

Cachorro – saliência lateral de cavidade feita na rocha;

Caçoar – fazer pouco, troçar de alguém;

Cadência – cuidado, cautela;

Calabre - corda grossa e comprida para atar mato, lenha, etc;

Caldudo – castanhas piladas cozidas;

Calete (pão) – trigo cozido à moda da Guarda;

Calhote – cova pequena;

Calípio – eucalipto;

Camalhão – montes de terra feitos pelo cavador com a enxada;

Cambo – gancho de madeira;

Canada – caminho de gado, passagem de cava-terra;

Canais – calhas onde entram os pentes;

Canastrão – cesto grande de verga;

Canchal – lugar onde há muitas pedras;

Candonga -  negocio ilícito de mercadorias fora do mercado corrente;

Caneira – pé de milho quando verde;

Caniço – grade de canas ou ripas por cima da lareira para secar castanhas;

Canoa – travessa para o cabelo;

Canocho – tanoco;

Cantareira – poial para colocar os cantâros de água;

Capela – roda dentada horizontal do lagar;

Cardado – trabalho; conforme é o trato, assim é o cardado;

Cardela – cordão dde nuvens esgarçadas, indicadoras de vento ou chuva;

Carduço – maçaroca de milho sem o grão;

Caruma – folha de pinheiro;

Cavada – terra em que se corta e queima o mato para semear centeio;

Cavalo – camada de centeio ou trigo ntes de se malhar;

Celamil – celamim;

Chamadouro – agita a francela e faz cair o grão no olhal da mó;

Champoreão – bebida quente de mel com aguardente;

Chancavelho – parvalhão, palerma;

Chanfrana – liquido extraído do alambique, depois de feita a aguardente;

Charepo – reles, sem valor;

Charinga – brinquedo de cana, semelhante á seringa;

Charrua – no sentido de abundância; uma charrua de água;

Chavelhão – pau que se mete no tiro do carro de bois;

Cheberro (chibato) – bode, chibo pequeno;

Chiadouro – vida; aperta o chiadouro = esganar, acabar com a vida;

Chicara-mona – jogo;

Chincar – tirar um olho, cegar alguém;

Chincavelho – sem importância;

Chiquita – boa vida;

Chocalhada – grande barulho, grande ruído de chocalos e latas;

Choucho – oco, sem juízo;

Chusma – grande porção de insectos;

Cieiro – vento seco e muito frio;

Cisco – argueiro nos olhos;

Coadouro – pano que serve para coar, filtrar;

Côca – medo;

Códão – gelo formado no solo;

Coima – castigo, pena, multa;

Coirão – mulher de mau porte;

Compincha – camaradão, companheiro;

Conchoso – sujo, que não se lava;

Condezilha – guarda bem uma coisa, estimação;

Conduto – carne, queijo, etc…, que acompanha o pão;

Cónha – espécie de vassoura com que se varrem os coanhos nas eiras;

Corar – pôr a roupa ao sol depois de uma  primeira lavagem;

Courela – terreno estreito e comprido;

Coxeira – ferida num pé que impede o andar;

Cravelho – fecho de madeira;

Cruzeta – peça superior de segurelha;

Cumeeira – trave principal  do telhado;

 

D

Damongro – demónio;

Debulhar – tirar o grão da maçaroca de milho;

Dejua – pequeno-almoço;

Desenxavido (desenxabido) – insípido;

Desinguinçar – pentear o cabelo;

Desinquieto – irrequieto, traquinas;

Despedrar – encher de dificuldades, frustrar os planos;

Destampatório – gritaria, destempero, zaragata;

Destelo – azeitona que caiem antes da apanha;

Diacho – reprovação;

Dondo – macio;

Dornalho – vasilha feita de cortiça;

 

E

Emborcar – beber muito depressa, de um trago;

Emonado – zangado, calado e mal humorado;

Empapelar – apaparicar;

Emplagado – parecido, muito semelhante;

Encardido – muito sujo;

Encarrapato – nu;

Encheco(enxeco) – estorvo, incomodo;

Enchido – carne para conservar ensacada;

Enchó – armadilha para perdizes;

Endornar – dar forma curva a qualquer coisa;

Enganação – tentação, ganas;

Engonha – empata;

Engonhar – fazer que faz e não faz;

Enxequilho – empecilho;

Enxogar – passar por água;

Enxotar – espantar;

Ervas – esparregado;

Esbolar – esbornicar, golpear as castanhas para se cozerem ou assarem;

Esborcelado – vasilha com o bordo partido;

Esborralhar – desmoronar, cair em ruínas;

Esbouçar – devassar terra cultivada;

Esbragar – deitar abaixo mato ou árvores, devido a passgem de qualquer coisa;

Escádia – pequena farpa de madeira espetada na mão;

Escaleira – degrau;

Escalete – esqueleto;

Escândola – mau exemplo, atitude indecorosa;

Escorropichar – beber até ao último pingo;

Esfagoar – despedação, estragar;

Esfrejoar – cozinhar, sobretudo fritar;

Esgargalar – abrir muito os olhos;

Esgravanada – bátega de chuva;

Esmifrar – enganar, explorar;

Esmoncar – partir;

Esmouquedo – mouco, surdo;

Especada – pessoa pretensiosa;

Esterco – estrume depois de curtido;

Estrincalar – andar muito contente;

Estrugir – refogar, fritar;

Estrume – mato de queiró, de giesta, de sargaço… antes de ser curtido;

publicado por aldsfranciscoassis às 20:56

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
25
26
27
28
29

.posts recentes

. ...

. Minas vão crescer 2000 me...

. Hóquei de patins de regre...

. Novo concurso para a Estr...

. TT na Barroca Grande

. Alminhas

. Virgem Peregrina

. Dicionário da nossa terra

. Letra C-E

. Letra F-J

.arquivos

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Maio 2006

. Fevereiro 2006

.links


.Telefones úteis

. CÂMARA MUNICIPAL DA COVILHÃ Tlf.: 351 275 330 600 Fax: 351 275 330 633/622 Email: info@cm-covilha.pt . JUNTA DE FREGUESIA Tlf.: 275 657 325 / 444 // Fax: 275 657 412 / 222 Email: jfasfassis@sapo.pt . CENTRO DE SAÚDE (EXTENSÃO) Tlf.: 275 657 584 . FARMÁCIA BENTO LEAL Tlf.: 275 657 194 Fax: 275 657 371 . BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DA COVILHÃ Tel: 275 310 310 . HOSPITAL COVA DA BEIRA Tel: 275 330 000 . GNR Tel: 275 320 660 . POLICIA Tel: 275 320 992 . CENTRO SOCIAL E PAROQUIAL Tel: 275 657 385 . INCÊNDIOS FLORESTAIS – 117 . PROTECÇÃO CIVIL Tel: 275 337 733 . INEM – 112
blogs SAPO

.subscrever feeds