Quarta-feira, 30 de Abril de 2008

...

     

Retirado de Cebola.net

publicado por aldsfranciscoassis às 09:52

link do post | comentar | favorito
|

Minas vão crescer 2000 metros em dois anos

"Beralt Tin & Wolfram aposta na prospecção de novos filões

A alta do Euro face ao Dólar obriga a maior produtividade e menos custos. A administração da Panasqueira reitera o plano de expansão da mina e encara a conjuntura com optimismo
Cinco meses passaram desde a aquisição da Beralt Tin & Wolfram (BTW, empresa detentora das Minas da Panasqueira) pela multinacional japonesa Sojitz Corporation e, segundo Correia de Sá, administrador da BTW, “não mudou nada na nossa estratégia, já que [os nipónicos] apostaram numa política de continuidade”. Na sua óptica, existe “muita satisfação” com as Minas, tanto da parte da Sojitz como da BTW.
Em Novembro de 2007, a BTW queria contratar 20 mineiros, para se juntarem aos cerca de 300 em laboração, mas estava a ter dificuldades em conseguir candidatos. Entretanto, “a questão já foi resolvida e trabalham nas Minas cerca de 320 pessoas”, refere Correia de Sá.
A contratação de novos profissionais insere-se no projecto de expansão de galerias disponíveis para extracção de volfrâmio, através da prospecção de novos filões. Trata-se de “um programa longo e ambicioso”, admite o administrador. Correia de Sá esclarece que existem nas Minas reservas de minério “suficientes para os próximos dez anos”. Contudo, “é preciso preparar o futuro”, reitera. De acordo com as expectativas da BTW, nos próximos dois anos serão desenvolvidos 2.000 metros de extensão de novas galerias.

VENDER EM DÓLARES, RECEBER EM EUROS
O volfrâmio retirado da Panasqueira é exportado na totalidade para uma fábrica nos Estados Unidos da América da multinacional alemã Osram. A flutuação do mercado cambial, nomeadamente o crescimento do valor do euro em relação ao dólar norte-americano, “tem tido grandes implicações para a BTW”, reconhece Correia de Sá, já que “as Minas vendem em dólares, mas recebem em euros”.
O que isto quer dizer em concreto? “Actualmente, vendemos cerca de 140 toneladas de minério por mês, mas só recebemos o equivalente ao valor do que custavam 120 toneladas há dois anos”, esclarece o administrador, preferindo não avançar valores concretos.
Para combater a redução de rendimentos, a solução passa por “reduzir custos e aumentar a produtividade”, isto “sem afectar os trabalhadores”, avança Correia de Sá.

Os actuais proprietários

A firma asiática Sojitz Corporation lançou uma Oferta Pública de Aquisição (OPA) sob a sociedade canadiana Primary Metals – detentora da BTW, empresa que, por sua vez, é a responsável pela exploração das Minas da Panasqueira – cotada na bolsa de valores de Vancouver, no Canadá. Rondando os 36 milhões de euros, o negócio oficializou-se no dia 3 de Outubro. A Sojitz Corporation, proprietária de minas por todo o mundo, emprega mais de 19 mil trabalhadores só no mercado japonês.

Aumentos para 2008
Sindicato e administração chegam a acordo
O Sindicato Mineiro e a administração das Minas da Panasqueira chegaram anteontem a acordo quanto à política salarial para 2008. Foi acordado um aumento salarial de 3,5 por cento (com efeito desde 1 de Janeiro), um aumento de um euro diário no subsídio de alimentação e de 12 para 13 anuidades, sendo que cada ano de antiguidade vale seis euros adicionais por mês.
Com o acordo alcançado, "o salário médio (considerando anuidades) de uma pessoa que trabalhe dentro da mina vai crescer entre 53 a 56 euros e aumentar entre 42 a 45 euros para quem está trabalha no exterior", refere José Maria Isidoro, do Sindicato Mineiro."
Retirado de Cebola.net
publicado por aldsfranciscoassis às 09:46

link do post | comentar | favorito
|

Hóquei de patins de regresso às Minas da Panasqueira

"A garantia foi deixada do deixada pelo presidente do clube desportivo das Minas da Panasqueira, José Tavares em entrevista à RCB. O novo piso vai permitir o regresso desta modalidade ao clube, que para já vai contar com uma equipa de veteranos.
Fundamental para este regresso, foi a colocação de um novo piso no poli desportivo que vai ser inaugurado durante as comemorações do aniversário numero 53, desta colectividades: “Vamos inaugurar um novo piso no nosso poli desportivo e receber uma nova viatura de nove lugares. Uma oferta dos administradores da “Beralt”, que eu agradeço desde já.”Para já o regresso do Hóquei vai estar limitado a uma equipa de veteranos: “espero que esta equipa cative os mais novos a praticarem a modalidade.”José Tavares deixou ainda a garantia que vai avançar para uma recandidatura, nas eleições que devem ter lugar em Junho “porque não vai deixar o clube morrer nem cair em más mãos.” A prioridade para o novo mandato já esta definida por José Tavares: “É uma reivindicação antiga dos nossos jogadores e pelos adversários que aqui vêm jogar que são os balneários.”Comemorações do aniversário que começam a 18 de Abril e terminam a 27. O ponto alto está marcado para o dia de 26 com a cerimónia de inauguração do novo piso do poli desportivo e entrega de uma viatura automóvel."
Retirado de Cebola.net
publicado por aldsfranciscoassis às 09:43

link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 24 de Abril de 2008

Novo concurso para a Estrada da Aldeia

A Câmara da Covilhã abriu concurso, na última sexta-feira, para a construção da estrada entre a Aldeia de São Francisco de Assis e Barroca.

O projecto prevê fazer uma via “praticamente nova”, de acordo com o presidente da autarquia, Carlos Pinto. Em termos de investimento, o concurso tem com base cerca de 1,5 milhões de euros. Sucede a um outro que foi anulado, porque “excedeu aquilo que era a expectativa, em termos de valor, e não havia cobertura financeira para isso”, segundo o autarca.
Quem tem boas expectativas quando ao reinício do processo de intervenção na estrada, que terá cerca de sete quilómetros, é o presidente da Junta de Aldeia de São Francisco de Assis. José Campos disse estar convencido de que este concurso vai em frente e anunciou que o dossiê das expropriações “está concluído”, à excepção “de uma habitação”. A via “será, de facto, a grande obra na Aldeia de São Francisco de Assis”, concluiu, durante a reunião pública do executivo, o presidente da junta de uma das freguesias situadas na zona das Minas da Panasqueira.

publicado por aldsfranciscoassis às 11:41

link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 14 de Abril de 2008

TT na Barroca Grande

Para os mais destemidos:

Mais de 100m, sempre a subir, com um desnível fora do normal!!!

 

Para ver vá a http://ww1.rtp.pt/multimedia/index.php?tvprog=1103&idpod=12978, telejornal de 13/4/2008, 2ª Parte, as 20h50m.

publicado por aldsfranciscoassis às 12:40

link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 25 de Março de 2008

Alminhas

"As Alminhas são padrões de culto aos mortos, hoje consideradas património artístico-religioso. São pequenos altares onde se pára um momento para deixar uma oração. É frequente encontrar velas e lamparina acesas, deixadas pelas pessoas que passam no local, ou mesmo oferendas de flores.

Geralmente, as alminhas são erguidas em encruzilhadas de caminhos, quase sempre em caminhos rurais, em matas ou perto de cursos de água, embora também se possa encontrar alminhas junto às estradas nacionais. As alminhas também podem ser incrustadas em velhos muros ou na frontaria de casas e podem ser construídas nos mais diversos materiais.

Aos diferentes estilos de alminhas dá-se o nome de:

  • colunas de granito trabalhadas
  • capelinhas
  • nichos
  • estelas

Um painel pintado a óleo, ou de azulejo, representa as almas do purgatório."

Wikipédia

 - Alminhas da Eira

                                                            

 - Alminhas do Caratão

 

                                                                               

 

 - Alminhas do Fundo da Rua

                      

 

                                                      

 

 - Alminhas da Ribeira

                                

 

 - Alminhas da Parada

 

                                          

                                                                                                         

 

 

- Alminhas da Fonte

                                    

          

                                                                                               

 

publicado por aldsfranciscoassis às 22:19

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quinta-feira, 6 de Março de 2008

Virgem Peregrina

Texto e fotos retirados do site www.freguesiabarroca.com

 

"Feita segundo indicações da Irmã Lúcia, a primeira Imagem da Virgem Peregrina de Fátima foi oferecida pelo Sr. Bispo de Leiria e coroada solenemente pelo Sr. Arcebispo de Évora, a 13 de Maio de 1947. A partir dessa data, a imagem percorreu, por diversas vezes, o mundo inteiro, levando consigo uma mensagem de paz e amor."

 A chegada á Igreja Matriz

 

 

 

 

 

 

Início da procissão

 

 

 

O regresso à igreja

 

 

 

 

Texto e fotos retirados do site www.freguesiabarroca.com

 

 

publicado por aldsfranciscoassis às 22:16

link do post | comentar | favorito
|

Dicionário da nossa terra

Letra A-B

A

A eito – seguidamente;

Abesseira – encosta voltada contra o sol;

Aburrar – censurar, repreender;

Acabramar – acalmar, aquietar;

Acalhoar – apedrejar;

Acareio(careio) – tino;

Acochar – subir a árvore;

Acolada – garganta ou depressão entre pontos elevados;

Aconapar – remendar vestuário;

Adondar – amaciar;

Adrogar – falar muito e alto;

Adua – á vez;

Agachis – esconderijo;

Agarrado – avarento;

Agorentar – cuidar, tratar bem pessoa doente;

Agragoujado – curvado das costas devido ao peso;

Aguado – doença de criança por sentir desejo de alimento que não lhe deramAguintar – lançar fora;

Ah catrino! – interjeição de ira;

Alamão – comilão, alarve;

Aldeagar – vadiar;

Alegumar – poupar o conduto;

Alegume – conduto;

Alhada – embrulhada, intriga;

Alombar – levar às costas;

Alquitete – pessoa de modos distintos;

Alterar-se – exaltar-se;

Amalhoar – marcar (defender) terreno com malhão;

Amarejar – gotejar;

Amuado – calado;

Anagalhar – dar o nó, casar;

Anaugua – saia branca de baixo;

Andadeira – mó ou pedra de moinho;

Andana – pagar bebidas a um grupo de pesoas na taberna;

Anegaça(s) – muafas, palhacices;

Anêspera – fruto da nespereira;

Apajear – adular;

Apaparicar – tratar com guloseimas e excessivo cuidado;

Apeanha – peça de tear em que a tecedeira assenta os pés;

Apetrechos – utensílios;

Apouvio – jeito, arranjo;

Apraguejar – blasfemar, rogar pragas;

Araújo – origem , causa, motivo;

Arcádia – argolas de ouro usadas pelas mulheres;

Arredeio – sesta às cabras a meio da tarde;

Arreganhar – arrefecer, sentir frio;

Arruadas – tocar e cantar pelas ruas;

Artesa – pia de pedra ou de tronco de árvore onde come o porco;

Assabenetar – castigar, açoitar, bater;

Atabafadiço – abafadiço;

Áuguas – diagnostico;

Aventesma (abantesma)– fantasma;

Azabouguedo – maluco, tonto, idiota;

Azimbrar – carregar sobretudo árvores;

 

B

Bacro – porco;

Badalo – dar ao badalo =falar muito;

Badana – pessoa sem carácter;

Baldão – estroina, mandrião, gastador;

Balouço – sitio fundo;

Bancada –  v. peal;

Banso(s) – degraus de escadas para a apanha da azeitona;

Baquear – revolver a massa do pão no tigelão;

Baraçana – despreocupado;

Baraço – guita, cordel para jogar o pião;

Barbilho – saco ou freio para os chibos deixarem de mamar;

Barranhão – panela grande, coisa muito grande;

Barreleiro – cesto grande de verga;

Barroco(a) – escavação natural;

Basbaque – parvo, pateta, traste;

Bassouro – vassoura grande feita de rama verde;

Bate-cu – tira olhos, libélula;

Bécula(s) – cara, ventas;

Beginha – vagem;

Bença (bênção) – de benzer, de abençoar;

Betouro – arbustos rasteiros;

Bicha(s) – sanguessugas;

Bocho – cão ainda pequeno;

Bofe(s) – pulmões;

Bolbrinho – redemoinho;

Bonda – já chega, basta;

Borga – estroinice – pândega, andar na vida airada;

Borjeço – pessoa gorda e antipática;

Borracha – saco de couro para o transporte de vinho;

Borralho – brasas com cinza;

Boucha – terra onde se semeia o centeio;

Bouchinha – terra pequena onde se semeia o centeio;

Brença(s) – caruma, agulhas de pinheiro secas;

Bretoldo – parvo, idiota;

Britar – dar uma sova ou tareia num filho;

Brocho(a) – prego pequeno;

Bruxa – braseira de barro;

Bua – água;

Burro – peso em madeira;

publicado por aldsfranciscoassis às 22:13

link do post | comentar | favorito
|

Letra C-E

C

Cabanal – telheiro, choupana;

Caçamulo – maçaroca mole de milho;

Cachorro – saliência lateral de cavidade feita na rocha;

Caçoar – fazer pouco, troçar de alguém;

Cadência – cuidado, cautela;

Calabre - corda grossa e comprida para atar mato, lenha, etc;

Caldudo – castanhas piladas cozidas;

Calete (pão) – trigo cozido à moda da Guarda;

Calhote – cova pequena;

Calípio – eucalipto;

Camalhão – montes de terra feitos pelo cavador com a enxada;

Cambo – gancho de madeira;

Canada – caminho de gado, passagem de cava-terra;

Canais – calhas onde entram os pentes;

Canastrão – cesto grande de verga;

Canchal – lugar onde há muitas pedras;

Candonga -  negocio ilícito de mercadorias fora do mercado corrente;

Caneira – pé de milho quando verde;

Caniço – grade de canas ou ripas por cima da lareira para secar castanhas;

Canoa – travessa para o cabelo;

Canocho – tanoco;

Cantareira – poial para colocar os cantâros de água;

Capela – roda dentada horizontal do lagar;

Cardado – trabalho; conforme é o trato, assim é o cardado;

Cardela – cordão dde nuvens esgarçadas, indicadoras de vento ou chuva;

Carduço – maçaroca de milho sem o grão;

Caruma – folha de pinheiro;

Cavada – terra em que se corta e queima o mato para semear centeio;

Cavalo – camada de centeio ou trigo ntes de se malhar;

Celamil – celamim;

Chamadouro – agita a francela e faz cair o grão no olhal da mó;

Champoreão – bebida quente de mel com aguardente;

Chancavelho – parvalhão, palerma;

Chanfrana – liquido extraído do alambique, depois de feita a aguardente;

Charepo – reles, sem valor;

Charinga – brinquedo de cana, semelhante á seringa;

Charrua – no sentido de abundância; uma charrua de água;

Chavelhão – pau que se mete no tiro do carro de bois;

Cheberro (chibato) – bode, chibo pequeno;

Chiadouro – vida; aperta o chiadouro = esganar, acabar com a vida;

Chicara-mona – jogo;

Chincar – tirar um olho, cegar alguém;

Chincavelho – sem importância;

Chiquita – boa vida;

Chocalhada – grande barulho, grande ruído de chocalos e latas;

Choucho – oco, sem juízo;

Chusma – grande porção de insectos;

Cieiro – vento seco e muito frio;

Cisco – argueiro nos olhos;

Coadouro – pano que serve para coar, filtrar;

Côca – medo;

Códão – gelo formado no solo;

Coima – castigo, pena, multa;

Coirão – mulher de mau porte;

Compincha – camaradão, companheiro;

Conchoso – sujo, que não se lava;

Condezilha – guarda bem uma coisa, estimação;

Conduto – carne, queijo, etc…, que acompanha o pão;

Cónha – espécie de vassoura com que se varrem os coanhos nas eiras;

Corar – pôr a roupa ao sol depois de uma  primeira lavagem;

Courela – terreno estreito e comprido;

Coxeira – ferida num pé que impede o andar;

Cravelho – fecho de madeira;

Cruzeta – peça superior de segurelha;

Cumeeira – trave principal  do telhado;

 

D

Damongro – demónio;

Debulhar – tirar o grão da maçaroca de milho;

Dejua – pequeno-almoço;

Desenxavido (desenxabido) – insípido;

Desinguinçar – pentear o cabelo;

Desinquieto – irrequieto, traquinas;

Despedrar – encher de dificuldades, frustrar os planos;

Destampatório – gritaria, destempero, zaragata;

Destelo – azeitona que caiem antes da apanha;

Diacho – reprovação;

Dondo – macio;

Dornalho – vasilha feita de cortiça;

 

E

Emborcar – beber muito depressa, de um trago;

Emonado – zangado, calado e mal humorado;

Empapelar – apaparicar;

Emplagado – parecido, muito semelhante;

Encardido – muito sujo;

Encarrapato – nu;

Encheco(enxeco) – estorvo, incomodo;

Enchido – carne para conservar ensacada;

Enchó – armadilha para perdizes;

Endornar – dar forma curva a qualquer coisa;

Enganação – tentação, ganas;

Engonha – empata;

Engonhar – fazer que faz e não faz;

Enxequilho – empecilho;

Enxogar – passar por água;

Enxotar – espantar;

Ervas – esparregado;

Esbolar – esbornicar, golpear as castanhas para se cozerem ou assarem;

Esborcelado – vasilha com o bordo partido;

Esborralhar – desmoronar, cair em ruínas;

Esbouçar – devassar terra cultivada;

Esbragar – deitar abaixo mato ou árvores, devido a passgem de qualquer coisa;

Escádia – pequena farpa de madeira espetada na mão;

Escaleira – degrau;

Escalete – esqueleto;

Escândola – mau exemplo, atitude indecorosa;

Escorropichar – beber até ao último pingo;

Esfagoar – despedação, estragar;

Esfrejoar – cozinhar, sobretudo fritar;

Esgargalar – abrir muito os olhos;

Esgravanada – bátega de chuva;

Esmifrar – enganar, explorar;

Esmoncar – partir;

Esmouquedo – mouco, surdo;

Especada – pessoa pretensiosa;

Esterco – estrume depois de curtido;

Estrincalar – andar muito contente;

Estrugir – refogar, fritar;

Estrume – mato de queiró, de giesta, de sargaço… antes de ser curtido;

publicado por aldsfranciscoassis às 20:56

link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 5 de Março de 2008

Letra F-J

F

Facanejo – canivete em mau estado;

Faixa – molho de trigo, centeio ou feno;

Fanico – desmaio;

Farromba – gabarola;

Ferrado – vasilha de lata pequena;

Ferrolho – escondido;

Ferros – armadilha para coelhos e raposas;

Festa – fazer bolos;

Fieira – fio de vento que no Inverno entra pelas frinchas das portas e janelas;

Filhós – cascoreis;

Fona – faúlha apagada;

Fosqueta – gatimanho, gatafunho, sinais coma s mãos e rosto, brincadeiras;

Fraldisqueiro – femeeiro, dissoluto;

Francela utensílio onde se faz o queijo;

Franquera (Franquiera) – fraqueza, debilidade por falta de alimento;

Frieira – vento fresco;

Fumeiro – enchido;

Fundir – render, principalmente na apanha da azeitona, a azeitona fundiu bem ou mal?;

Fungar – choramingar;

 

G

Gadanha -  concha para tirar o caldo da panela, ceifeira para o trigo, feno e outras ervas;

Galga – mentira;

Galhete – garganta;

Ganau – grupo de raparigas algo levianas;

Gavela – feixe de estrume ou palha de cereais;

Geira - terra lavrada num dia, por uma junta de bois;

Gengibre – gengiva;

Goleima – bolo de broa com cebola picada;

Grandão (grandalhão) – muito grande;

Gravalhouço – pessoa nobre ou rica;

Grave – bem posto;

Graveto – remo de árvore pequeno;

Guirita – naça, espécie de cesto feito de vime para apanhar peixe;

 

H

Heresia – injustiça, barbaridade, causa que mete dó;

Horta – pequena leira de terra;

 

I

Ilustria – imposto;

Impado(ímpeto) – impulso, ataque;

Inculacar – informar;

Ingrolar – enganar;

Interpicar – implicar;

Intertinho – membrana que envolve os intestinos;

Invernia – mau tempo continuado;

 

J

Jaqueta – casaco de homem;

Joina – pequeno feixe de lenha;

Jornal – valor correspondente a um dia de trabalho;

Jusã – peça que sobe ou desce a mó;

publicado por aldsfranciscoassis às 19:46

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
25
26
27
28
29

.posts recentes

. ...

. Minas vão crescer 2000 me...

. Hóquei de patins de regre...

. Novo concurso para a Estr...

. TT na Barroca Grande

. Alminhas

. Virgem Peregrina

. Dicionário da nossa terra

. Letra C-E

. Letra F-J

.arquivos

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Maio 2006

. Fevereiro 2006

.links


.Telefones úteis

. CÂMARA MUNICIPAL DA COVILHÃ Tlf.: 351 275 330 600 Fax: 351 275 330 633/622 Email: info@cm-covilha.pt . JUNTA DE FREGUESIA Tlf.: 275 657 325 / 444 // Fax: 275 657 412 / 222 Email: jfasfassis@sapo.pt . CENTRO DE SAÚDE (EXTENSÃO) Tlf.: 275 657 584 . FARMÁCIA BENTO LEAL Tlf.: 275 657 194 Fax: 275 657 371 . BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DA COVILHÃ Tel: 275 310 310 . HOSPITAL COVA DA BEIRA Tel: 275 330 000 . GNR Tel: 275 320 660 . POLICIA Tel: 275 320 992 . CENTRO SOCIAL E PAROQUIAL Tel: 275 657 385 . INCÊNDIOS FLORESTAIS – 117 . PROTECÇÃO CIVIL Tel: 275 337 733 . INEM – 112
blogs SAPO

.subscrever feeds